1. 0
« »

Antecipar as compras de material escolar para dezembro é dica importante para quem quer economizar

A partir de janeiro de 2016, as mineiras e os mineiros pagarão mais caro por aproximadamente 150 produtos, incluindo material escolar, medicamentos, itens de higiene e construção. Com a aprovação do Projeto de Lei 2.817/2015, de autoria do governador Fernando Pimentel (PT), no 2º semestre deste ano, ficou determinado o aumento na taxação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de inúmeros produtos. À época, a deputada estadual Ione Pinheiro (DEM) e outros 26 deputados foram contra os aumentos, mas prevaleceu a escolha dos 35 parlamentares favoráveis ao PL. Com a certeza de preços mais salgados depois do réveillon, a dica é usar de estratégias para não começar 2016 no vermelho.

A dica principal é antecipar as compras de material escolar para este mês de dezembro, uma vez que os lojistas ainda têm no estoque produtos comprados antes da disparada do ICMS. Além do aumento do imposto, a inflação e a disparada do dólar farão com que as prateleiras apresentem produtos até 30% mais caros que no ano passado. Produtos importados, como mochilhas, lancheiras e estojos, terão aumento ainda maior em comparação com 2014, devido à alta do dólar. Já os produtos de fabricação nacional, como lápis e cadernos, terão aumento previsto de 10%.

As novas alíquotas passarão a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2016 até o dia 31 de dezembro de 2019. Veja como fica a alíquota do ICMS com a aprovação do PL 2.817/15:

- Bebidas alcoólicas, cigarros e armas: alíquota atual de 27% / nova alíquota de 27%;

- Telefones celulares: de 12% para 14%;

- Refrigerantes, ração, alimentos para atletas, câmeras fotográficas e de vídeo, aparelhos de som para carros, equipamentos de pesca esportiva: de 18% para 20%;

- Água-de-colônia: de 18% para 27%;

- Perfumes e cosméticos, serviços de comunicação, como telefonia, internet e TV por assinatura: de 25% para 27%;

- Energia elétrica para consumidores comerciais e prestadores de serviços: de 18% para 25%.