1. 0
« »

Tangerina de Belo Vale pode se transformar em produto internacional

Nesta semana, o portal Estado de Minas publicou uma interessante matéria sobre a produção de tangerinas no município de Belo Vale. Os produtores da região, depois de se estabelecerem como nos mercados mineiro e nacional, agora querem conquistar o paladar dos estrangeiros. Potencial para isso eles têm! Confira a matéria da repórter Juliana Cipriani na íntegra:

"Da mesa do mineiro e do brasileiro para exigentes mercados de consumo no exterior, a tangerina Ponkan cultivada em Belo Vale, município de apenas 7,5 mil habitantes da Região Central de Minas Gerais, prepara avanço desafiador da cultura no estado. O crescimento da produção na cidade, que é a principal fornecedora de Minas e a segunda no ranking do país, leva à expectativa de que a safra deste ano seja a maior da história das lavouras. A boa notícia estimula planos de exportação. A colheita começou neste mês e se estenderá até setembro. A previsão dos produtores é chegar a 60 mil toneladas da fruta cítrica, o equivalente a 3 milhões de caixas.

O maior resultado da colheita havia sido de 45 mil toneladas, ou 2,250 milhões de caixas, em 2015. Os desafios são o investimento na melhora da fruta produzida e o uso de técnicas modernas para evitar doenças que possam comprometer a produção. Todo o comércio da tangerina Ponkan de Belo Vale é destinado ao consumo de mesa. O município fornece frutos in natura e já há produtores que fazem seleção em paking house, sistema de beneficiamento com o controle de qualidade e separação por tamanho, coloração e nível de defeitos

De acordo com a Secretaria Municipal de Agropecuária, o cultivo proporciona renda direta aos produtores em torno de R$ 40 milhões por safra. São gerados aproximadamente 1 mil empregos diretos na época da colheita entre abril e setembro. Cada caixa custa de R$ 20 a R$ 30 e pesa entre 18 e 22 quilos.

Ciente do potencial da região, o produtor Eduardo de Castro Fernandes, de 34 anos, está montando em Belo Vale uma indústria de beneficiamento de frutas cítricas, em especial, a mexerica. “Em 10 dias entramos em funcionamento com uma máquina que fará a limpeza, aplicação de cera líquida e classificação da fruta em tamanhos pequeno, médio e grande. Com isso elas já vão chegar no mercado separadas e embaladas para o consumidor final”, conta o produtor. O município dispõe de maquinário semelhante, porém mais antigo, na Fazenda Vira Sol.

Além da produção de Eduardo Castro, a unidade de processamento atenderá outros agricultores interessados. Os serviços vão aumentar o lucro da família Castro, que atualmente mantém 20 mil pés de mexerica e estima produzir 60 mil caixas neste ano. Junto do pai e do tio, Eduardo tem projeto de exportar para a Europa já nesta safra. “Estamos na fase final de um estudo para exportar, que segue uma análise bem detalhada da planta exigida pelo país importador para checar se os produtos usados, como os agrotóxicos, são permitidos”, disse. A expectativa é de aumentar a produção em 50% para que os embarques aos exterior sejam contemplados.

EMBARQUE PRÓXIMO Segundo a secretária de Agropecuária de Belo Vale, Kelly Cristina dos Santos, outros produtores do município trabalham em planos de exportação de tangerina. “Acredito que ainda neste ano começamos a embarcar o produto”, disse. O município é sustentado praticamente pela produção de tangerina, que segue em crescimento, apesar da crise econômica e atrai gente de outros estados à procura de emprego na época de safra.

O clima adequado ao desenvolvimento da fruta cítrica, com períodos bem definidos de frio e calor, além do solo argiloso, favorece as plantações, o que explica a alta produtividade obtida nas lavouras. Enquanto a produção média por hectare é de 18,86 toneladas no Brasil, em Minas alcança 24,5 toneladas e em Belo Vale, 35 toneladas. “Os produtores estão deixando de investir em gado para plantar mexerica”, conta Kelly Santos.

O sonho de exportar, no entanto, muitas vezes, ainda requer um trabalho mais intenso de manutenção da qualidade da fruta. É o caso do produtor Ilson Dinis do Carmo, de 44. Ele trabalha com três sócios, também em família, na Fazenda Vira Sol, que produz 150 mil caixas de tangerina por safra. “Neste ano a expectativa é de que a produção suba para 250 mil caixas. Vendemos para o Brasil quase todo”, afirma o produtor, que usa maquinário próprio de beneficiamento.

O principal desafio da produção da fazenda Vira Sol, para Ilson Carmo, é manter a qualidade da plantação. “Há doenças que entram e a gente tem de estar sempre combatendo, prevenindo. Precisamos passar produto para ácaros e cochonilhas”, diz.

Exposição Agropecuária

Com mostra de 1,3 mil bovinos e equídeos, a 56ª Exposição Estadual Agropecuária, que começa dia 31 no Parque da Gameleira, em Belo Horizonte, vai abrigar, neste ano, programação de outras áreas importantes do agronegócio. O evento tradicional da pecuária de Minas Gerais receberá, também, exposições estaduais de flores e folhagens, de peixes ornamentais e o Concurso Nacional de Peixes Ornamentais. Será também realizada dentro da agenda da exposição (até 5 de junho), a 1ª Feira Pró-genética e Pró-fêmeas, responsável pela oferta de touros e matrizes das raças zebuínas, girolando e senepol. Estão, ainda, previstos 44 eventos técnicos, entre palestras e cursos. A exposição é promovida pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) junto ao sistema Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg)."